Espasmos ao dormir: por que se produzem, e como evitá-los?

Jun 16, 2022 | PROBLEMAS FÍSICOS, DESCANSO | 0 comments

Sofre de espasmos ao dormir? Então quiçá sofra do que se conhece como mioclonia do sono, uma contração muscular involuntária e não rítmica, que pode acontecer quando a pessoa está dormida, ou incluso quando está desperta.

A mioclonia do sono, ou ter espasmos a dormir, não é considerada como uma enfermidade em si mesma: é antes um sintoma de várias condições diferentes. Ainda assim, também é possível padecer de espasmos, sem que exista uma causa subjacente. Explicamos-lhe o que são os espasmos ao dormir, e quais são as suas possíveis causas.

Espasmos ao dormir, ou mioclonia do sono. Como se produzem?

O termo mioclonia faz referência aos espasmos involuntários que envolvem um músculo ou um grupo de músculos. Os soluços, por exemplo, são um tipo de mioclonia que afeta os músculos do diafragma. 

Os sintomas da mioclonia do sono fazem referência a quando a pessoa adormece e sofre espasmos, sacudidas imprevisíveis e involuntárias, e que podem afetar a um só músculo, ou a vários grupos de músculos.

Estes movimentos podem incluir:

  • Sacudidas repentinas dos braços, das pernas ou do tronco.
  • Espasmos musculares localizados ou generalizados.
  • Contrações musculares similares a descargas, e que duram um período breve.
  • Espasmos musculares que se produzem como resposta a estímulos externos.

As formas simples de mioclonia, ou espasmos ao dormir, podem acontecer em pessoas saudáveis, sem que se produzam complicações graves. No entanto, as mioclonias frequentes ou generalizadas podem indicar um transtorno neurológico subjacente. 

As pessoas com espasmos ao dormir podem ter dificuldades para conseguir adormecer, ou experimentar uma fraca qualidade de sono, o que pode provocar uma fadiga excessiva durante o dia. Mas, o que é que pode causar a produção destes espasmos?

Causas dos espasmos ao dormir

As causas dos espasmos ao dormir continuam a ser desconhecidas. No entanto, a maioria dos casos nos quais se sofre com este problema têm a ver, frequentemente, com problemas que afetam o cérebro ou a medula espinal, tal como explica o Instituto Nacional de Transtornos Neurológicos e Acidentes Cerebrovasculares dos EEUU. 

Além do mais, os espasmos podem acontecer sós, ou junto com outros sintomas de transtornos do sistema nervoso. Em qualquer caso, e dependendo da idade da pessoa, as possíveis causas dos espasmos variam.

Causas dos espasmos em bebés e crianças

As causas da mioclonia do sono nas crianças podem incluir:

Transtornos do sono

Ainda que a mioclonia do sono possa acontecer por si só, também se pode apresentar como um sintoma de um transtorno do sono.

Distúrbio do movimento periódico dos membros

Este distúrbio é uma doença de movimento do sono que afeta as crianças. Esta provoca breves espasmos musculares nas pernas ou nos braços durante o sono. 

Epilepsia

A epilepsia mioclónica juvenil é uma forma de epilepsia que envolve convulsões mioclónicas. Representa 5 a 10% de todos os casos de epilepsia. O início dos sintomas ocorre, geralmente, em crianças entre as idades de 12 e 18 anos. 

Distúrbio rítmico do movimento

As crianças com distúrbio rítmico do movimento podem exibir movimentos de balanço ou sacudidas de cabeça enquanto dormem, ou quando fazem a transição para um sono profundo. 

Este transtorno ocorre, muitas vezes, juntamente com distúrbios do desenvolvimento, como o distúrbio por défice de atenção com hiperatividade (TDAH), os transtornos do espectro autista, e a síndrome de Tourette.

Causas dos espasmos ao dormir em adultos

As causas da mioclonia do sono que afetam sobretudo os adultos incluem:

Síndrome das pernas inquietas

A síndrome de pernas inquietas (SPI) é um transtorno que afeta o sono. Provoca uma necessidade incontrolável de mover as pernas, geralmente devido a uma sensação incómoda, e que o movimento alivia, ainda que de forma temporária. 

Em geral, ocorre nas horas da tarde ou da noite, quando uma pessoa está sentada ou deitada e acordada. A natureza dos seus sintomas sugere que o SPI é uma condição neurológica. No entanto, a causa do SPI continua a ser desconhecida. 

Esclerose múltipla (EM)

Segundo a Sociedade Nacional de Esclerose Múltipla, as mioclonias focais e segmentares são distúrbios do movimento comuns associados à EM.

Não está claro se a EM pode causar diretamente mioclonias do sono. Porém, esta condição tem vínculos com inúmeros distúrbios do sono, incluindo os espasmos noturnos nas pernas e o SPI. 

Doença de Huntington

As pessoas com a doença de Huntington podem experimentar espasmos musculares involuntários, conhecidos como coreia, assim como alterações no sono e na cognição.

Causas na terceira idade

As pessoas de 60 anos ou mais, e que sofrem de espasmos ao dormir, podem ter alguns problemas, como podem ser:

Doença de Parkinson

A doença de Parkinson é um distúrbio neurodegenerativo que afeta geralmente a pessoas de cerca de 70 anos de idade. Os sintomas podem incluir espasmos noturnos, além de dificuldades para dormir.

Doença de Alzheimer

Além das alterações cognitivas, as pessoas com doença de Alzheimer podem experimentar perda de coordenação e de controlo motor. 

Além disso, segundo um estudo de 2017, as pessoas com doença de Alzheimer desenvolvem espasmos cerca de 5,4 anos depois de que a doença se tenha iniciado.

Doença de Creutzfeldt-Jakob (ECJ)

A ECJ é um distúrbio cerebral progressivo que conduz a alterações cognitivas e comportamentais, assim como a espasmos musculares involuntários e perda de coordenação.

Como pode ver, são muitas as diferentes patologias que podem levar a sofrer espasmos ao dormir, algo que também depende da idade. Se sofre de espasmos ao dormir todas as noites, recomendamos-lhe que se consulte com um profissional de saúde a esse respeito. Descansar é vital, e a sua saúde também! 

.