É normal ter insónias no outono?

Out 16, 2021 | INFORMAMOS-TE | 0 comments

As mudanças de estação podem significar também a chegada de outras alterações no nosso dia a dia. Em concreto, a chegada do outono caracteriza-se por trazer consigo uma mudança da hora, alterações de temperatura, diferenças na nossa rotina diária…. Incluso, substituição da roupa no armário.

Todas estas mudanças não nos deixam indiferentes e, como é normal, a nossa rotina de sono também é suscetível a ver-se afetada. De fato, com a mudança de estação, é habitual que os casos de insónias cresçam.

As insónias no outono: um problema bastante habitual

Ter insónias no outono é algo bastante comum. Mas, por quê? Parece que, com a mudança de temperatura, o nosso ritmo de sono se vê afetado. O problema é tal, que tem sido amplamente estudado pela comunidade científica.

Tal como explica o doutor Diego García Borreguero, diretor do Instituto de Investigação do Sono, “a diminuição de horas de luz e as alterações no ritmo de vida que se produzem com a chegada do outono podem provocar alterações no relógio circadiano, dando lugar ao aparecimento das insónias”.

E o problema é tal que, segundo os especialistas, a percentagem da população que sofre insónias crónicas é de uns 8 a uns 10 por cento. Por sua parte, aqueles que apresentam insónias transitórias ou, por outras palavras, dificuldades para dormir durante 3-4 semanas, ocupam uns 30 a 40 por cento da população.

Causas das insónias no outono

Ao que parece, segundo a investigação a esse respeito, são várias as causas que levam ao aparecimento dos problemas de sono com a mudança de estação. Em concreto, segundo aponta Yolanda de la Llave, psicóloga do Instituto de Investigação do Sono, o maior responsável pela grande parte das noites sem dormir parece ser o stress laboral, que tem tendência a acumular-se, após as primeiras semanas de trabalho depois das férias.

Ao stress laboral, seguem-se as preocupações pessoais (como podem ser as relacionadas com a sua cara-metade, os filhos, a hipoteca…), e o desconforto físico. No entanto, o outono em si também pode ser algo responsável pela nossa maior dificuldade em dormir. Isto acontece devido a:

  • diminuição das horas de luz.
  • alterações que costumam acontecer no ritmo de vida com a mudança de estação.
  • alterações que se produzem no relógio circadiano.

Tudo isto, além das insónias, também poderia ter consequências sobre a nossa vitalidade. De fato, existe um transtorno denominado astenia outonal.

É normal ter insónias no outono?

A astenia outonal

A astenia outonal caracteriza-se por ser um problema que surge com a chegada do outono, e que é definido por sensações de cansaço e debilidade persistentes. Estas sensações, como é normal, afetam o rendimento diário de quem as sofre.

Ao que parece, todas estas mudanças e sensações apareceriam devido às dificuldades que apresenta o organismo para se adaptar às alterações que o outono traz consigo. Isto faz com que o nosso rendimento, a nossa energia, e incluso a nossa motivação, se vejam afetados, e possam ter consequências negativas até sobre as nossas relações afetivas.

 Em concreto, este tipo de desordem, que também se pode produzir em outras mudanças de estação, parece que tem algo que ver com a produção de melatonina, uma hormona chave no sono, responsável pela nossa vontade de dormir. Segundo parece, a luz poderia influir na sua produção, e as alterações na duração da radiação solar poderiam influir na sua secreção, assim como na produção de serotonina.

Ainda assim, tal como indicam os especialistas, não se deve confundir este estado, que se considera uma situação limitada no tempo, breve e curta, com estados crónicos que requerem outros tratamentos.

Em qualquer caso, também é importante destacar que esta desordem não é uma enfermidade, mas uma série de sintomas que aparecem juntamente com a mudança de estação, neste caso, com a chegada do outono.

Como vê, é totalmente normal, e mais habitual do que pensamos, o feito de sofrer de insónias no outono. Levar uns hábitos de vida saudáveis, assim como uma dieta equilibrada, poderiam ser uma grande ajuda para tentar prevenir esse problema. Em qualquer caso, se este problema o atinge de forma crónica, recomendamos-lhe que visite um especialista, para poder ter uma ajuda profissional. O seu descanso é primordial para a sua saúde!