Um bom colchão mima as suas costas

Ago 2, 2020 | PRODUTOS, QUARTO DE DORMIR

Sabia que um colchão em mau estado pode ser uma das principais causas de dor nas costas? Os colchões deformam-se e moldam a sua forma ao longo do tempo devido ao nosso uso diário.

A causa deste desgaste, frequentemente, gera vícios posturais que adotamos de forma inconsciente enquanto dormimos. Estas posturas são uma expressão de que o nosso corpo sente desconforto e podem prejudicar as nossas costas e a nossa saúde. Portanto, não é recomendável prolongar a vida útil de um colchão por mais de 10 anos.

Como escolher um colchão que cuide das nossas costas

Alguns anos atrás, os colchões muito duros estavam na moda com a finalidade de aliviar a dor nas costas. No entanto, o certo é que estes colchões nem sempre eram os mais indicados para qualquer pessoa. Isto deve-se a que os colchões de alta firmeza não cedem sob a pressão do corpo, pelo que acabam a causar desconforto e pressão sobre os ossos. Além disso, podem chegar a causar inflamações, especialmente nas áreas de apoio como o quadril e os ombros (se dorme de lado) e na região lombar (no caso que durma de costas).

Segundo revela Manel Domingo, fisioterapeuta e Decano do Colégio de Fisioterapeutas de Catalunha, a escolha de um colchão que mime as nossas costas depende de três aspetos chave: a posição em que dormimos, o peso e altura que temos.

Aqui explicamos-lhe algumas recomendações que pode ter em conta dependendo da postura adotada ao dormir:

  • Se tem o costume de dormir para um lado (direito ou esquerdo) sobre um dos perfis do corpo, o mais recomendável pode ser optar por um colchão que ofereça adaptabilidade e materiais adequados para permitir reduzir os pontos de pressão.
  • Ao dormir adotando a posição de barriga para cima ou decúbito dorsal, o ideal é optar por um colchão que evite que o corpo e as costas afundem e que garanta a curvatura natural da coluna.
  • Dormir de barriga para baixo é uma posição pouco recomendável pelos especialistas do descanso devido aos problemas cervicais e de coluna que pode causar. Além disso, esta posição pode dificultar e obstruir a respiração enquanto descansamos. No entanto, se dormimos de barriga para baixo, a opção mais indicada pode ser os colchões de firmeza intermédia.

Por outro lado, é importante ter em conta o nosso peso ao escolher um colchão. Basicamente, quanto maior seja o nosso peso, maior grau de firmeza deve o colchão que escolhemos ter. Desta forma, o colchão repartirá melhor o peso e evitará ceder na zona das costas. Se, pelo contrário, a nossa massa corporal corresponde à nossa altura ou temos uma constituição física magra, é recomendável um colchão mais flexível com um grau de firmeza intermédia.

Materiais, preços e mudanças de colchão

Ao escolher um colchão podemos encontrar diferentes materiais e modelos, desde colchões a molas ensacadas, de espuma ou modelos com componentes visco-elásticos e até colchões de látex. No entanto, aqui mais que o material o que realmente importa é que o colchão adapta-se na perfeição às suas costas e movimentos. Por isso, a escolha de material é uma questão de preferências pessoais, exceto os casos que exista alguma patologia que requer um colchão específico.

Um conselho para escolher devidamente um colchão é prestar atenção a estas 3 características essenciais (seja qual for o material): o grau de firmeza, a respirabilidade que oferece e o nível de adaptabilidade de um colchão. Se atendermos estes três aspetos indicados por cada fabricante será mais fácil acertar na nossa escolha. E se também é hipoalergénico, muito melhor.

Nem sempre um preço mais alto garante uma qualidade melhor no nosso descanso, uma vez que cada pessoa pode adaptar-se de forma diferente a um ou a outro tipo de colchão. Por exemplo, os colchões visco-elásticos são geralmente os mais caros e podem ser um bom investimento para determinadas pessoas. No entanto, para outras a memória que tem a sua superfície por causar desconforto e causar com que não se consiga ganhar o costume.

Por último, é importante saber que depois de uma alteração de colchão o nosso corpo pode demorar entre duas a quatro semanas a adaptar-se à nova superfície. Além disso, ao princípio pode provocar desconforto nas costas, nas pernas ou nos quadris. No entanto, não devemos preocupar-nos, uma vez que passado este período de acomodação ao novo colchão, este desconforto teria de desaparecer. E se acaba por não se adaptar, não precisa de se preocupar: a Maxcolchon proporciona-lhe um prazo de 100 noites para experimentar os colchões adquiridos.

E você, há quanto tempo não muda de colchão? Desfrute do descanso que merece com um bom colchão que mime as suas costas!