Tonturas ao deitar-se: O que significa e porque acontece?

Fev 23, 2021 | ACONSELHAMOS-TE, SAÚDE

Alguma vez ouviu falar de vertigem posicional paroxística benigna? Possivelmente não. Mas e se dissermos que é a sensação de tontura ao deitar-se?

Porque às vezes temos tonturas quando nos deitamos na cama? Causas e sintomas de um problema mais comum de que imaginamos

É uma sensação que ocorre dentro da nossa cabeça e de repente, tudo gira à roda. São episódios breves de tonturas que podem variar de intensidade leve a absoluta. Estamos a falar das tonturas que ocorrem quando nos deitamos, uma explicação popular que se refere à vertigem posicional paroxística benigna.

Conhecida como uma das principais causas de vertigem, a variante conhecida como posicional paroxística benigna geralmente é desencadeada por certas mudanças na posição da cabeça. Por exemplo, incline-a para cima ou para baixo. Exatamente os movimentos que você faz quando vamos para a cama todas as noites. Daí a relação constante com o descanso.

Sem que representem, como regra geral, qualquer tipo de gravidade, estas tonturas ou vertigens podem prejudicar o nosso dia a dia. Sem ir mais longe, embora geralmente possam aparecer quando vamos para a cama, há momentos em que podemos estar de pé quando surgem, correndo riscos de quedas.

Não se encontrou até ao dia de hoje uma causa conhecida ou concreta para a vertigem posicional. No entanto, quando a sua origem principal pode ser determinada, geralmente está relacionada com certos golpes que podemos ter sofrido na cabeça. Outras causas comuns andam na ordem de certos distúrbios que danificam o ouvido interno. Nesta última origem, este dano pode ter sido gerado após uma intervenção cirúrgica. E, ainda mais chocante pelo quão estranho é, mesmo ficando limitado a uma cadeira por várias horas. Por exemplo, numa visita ao dentista.

Outras causas apontam para enxaquecas terríveis, a ingestão de vários e certos medicamentos (especialmente em pessoas mais velhas), hipotensão (tensão baixa) e, sobretudo, problemas psicológicos como ataques de pânico, ansiedade e angústia que podem causar taquicardia, palpitações ou suor excessivo.

Entre os sintomas incluem-se tonturas, náuseas, vómitos, instabilidade, perda de equilíbrio, vertigem e uma sensação de que você ou o lugar onde está anda à roda.

Como combater estas tonturas através de uma melhoria do equipamento de descanso (h2)

Embora seja verdade que parte destas tonturas esteja relacionada com problemas físicos e doenças como as relatadas anteriormente, o nosso equipamento de descanso pode desempenhar um papel fundamental na melhoria ou agravamento dos sintomas.

Como já mencionamos, uma das origens destas tonturas é precedida por certos movimentos que realizamos quando estamos deitados. Portanto, nada melhor do que munir-nos de certos elementos de descanso que podem melhorar nossa mobilidade.

Para evitar estas más posturas, podemos começar por adquirir uma cama articulada. Graças ao motor elétrico que permite aos seus utilizadores gerir a inclinação da cabeça e das pernas, transformaremos o colchão num elemento móvel que será aquele que se adapta às nossas posturas. Nunca o contrário.

Esta facilidade oferecida pelas camas articuladas para adoção de posições inclinadas pode ser reforçada dependendo dos tipos de almofada. Para que esta combinação nos ajude a evitar as tonturas, teremos que nos perguntar em que posição dormimos, se temos tendência a suar à noite e qual a sensação que mais nos conforta.

Uma vez respondidas estas questões, encontramos uma almofada cuja firmeza, respirabilidade e altura vão beneficiar os movimentos do nosso pescoço. Quando evitarmos estas mudanças repentinas e uma inclinação mais regular e orgânica da cabeça, deixaremos de sentir as tonturas.