Sono polifásico: os perigos de dormir intermitentemente

Abr 26, 2021 | INFORMAMOS-TE

Os humanos adultos precisam de dormir muitas horas seguidas ou, por outro lado, somos capazes de dormir com pequenas sestas como outros mamíferos? Pode nunca ter ouvido falar do sono polifásico. Neste artigo, explicamos o que esta abordagem ao descanso baseado em dormir por pequenos períodos espalhados ao longo do dia e quais os riscos para a saúde  que pode acarretar.

A má saúde do sono afeta a sua qualidade de vida e pode torná-lo suscetível a uma variedade de doenças crónicas. Portanto, é importante dormir bem e as horas necessárias, pois, durante esse tempo, o nosso corpo e cérebro recuperam níveis ótimos de energia dia após dia. E você, dorme o suficiente?

O que é o sono polifásico?

O sono polifásico é uma forma alternativa de dormir. Em vez de dormir oito a nove horas de sono contínuo a cada noite (sono monofásico), o polifásico assume períodos de sono em segmentos mais curtos dentro de um ciclo de 24 horas. O resultado final são períodos de sono mais frequentes repartidos ao longo do dia, mas significativamente menos sono do que as oito ou nove horas normais.

Segundo pesquisas sobre o assunto, o sono polifásico poderia ter sido comum entre as pessoas há vários séculos. Os fazendeiros do passado parecem ter descoberto que os padrões mais eficazes para poderem trabalhar poderiam envolver duas sessões de sono mais curtas, em vez de uma sessão longa.

Este tipo de sono não é adequado para todos e deve ser apenas adotado por aqueles que não conseguem funcionar adequadamente com os padrões normais de sono. No entanto, alguns especialistas em sono consideram isto como uma privação de sono que acarreta sérios riscos à saúde, mesmo a curto prazo.

Perigos de dormir intermitentemente

O sono é o resultado da inibição do sistema nervoso. Consequentemente, o sono interrompe todas as ações, mas também impede que os neurónios atinjam o grau de exaustão total, de modo que através do sono eles recebam uma nova energia que lhes permitirá continuar a trabalhar. Embora seja verdade que o efeito do sono ainda não seja totalmente compreendido, foram descobertos os riscos de curto e longo prazo associados à privação do sono. Estes são alguns dos perigos aos quais nos expomos fazendo apenas sestas ao longo do dia:

  • A privação de sono prolongada pode causar doenças cardiovasculares, hipertensão, infarto do miocárdio, derrame, obesidade, diabetes, epilepsia e redução da expectativa de vida.
  • Por não dormir o suficiente, podem ocorrer problemas psiquiátricos, como depressão e transtornos de humor.
  • Outros problemas que podem surgir são a perturbação da qualidade do sono de um cônjuge ou parceiro e uma qualidade de vida geralmente prejudicada.
  • Além disso, a falta de sono pode estar relacionada a problemas relacionados com a ansiedade, esquecimento, memória reduzida, função cognitiva prejudicada, dificuldade de concentração e manutenção do foco numa tarefa.
  • A falta de sono pode causar acidentes de carro ou de trabalho. Especificamente, a privação do sono tem sido associada a acidentes graves, incluindo a destruição do reator nuclear de Chernobyl e vários acidentes de aviação. Isto tem provocado mudanças nos setores de transporte e aviação, obrigando os pilotos e motoristas de camiões a manter um ritmo normal de sono.
  • Dificuldade em tomar decisões, sonolência e confusão são outras causas relacionadas com a privação de sono. Além disso, podemos sentir desconforto e dificuldade em ouvir com atenção durante as conversas.
  • Diferentes estudos relacionaram a privação de sono a um desequilíbrio nos níveis de duas hormonas: leptina e grelina. Ambas as hormonas afetam o nosso apetite, então o sono polifásico pode causar transtornos alimentares indiretamente.

Como pode ver, são muitos os riscos que se correm por não se ter uma rotina de sono adequada. Na Maxcolchon somos ativistas pelo descanso e pela saúde, porque realmente nos preocupamos consigo. Portanto, se temos problemas para dormir, é importante ir ao médico para diagnosticar as causas do problema e tratá-lo pela raiz.