Porque precisamos de dormir depois de comer?

Fev 24, 2020 | INFORMAMOS-TE

É bastante comum: comemos e de repente notamos uma leve sensação de cansaço e vontade de dormir. O que normalmente conhecemos como a sesta. Pode até parecer que estes dois hábitos andam de mãos dadas.

Mas por que comer e dormir têm tanto a ver um com o outro?

Se você já ouviu falar deste tópico, pode haver uma explicação popular para o sono que temos depois das refeições: depois de comer, nosso sistema digestivo deve fazer a digestão. Ao fazê-lo, o sangue acumula no estômago para trabalhar a digestão, e os outros órgãos recebem menos sangue. Assim, esta sensação de cansaço e a necessidade de dormir foi atribuída ao processo de digestão.

Neste caso, a explicação científica para este fato é que esta sonolência parece acontecer porque o corpo ativa um mecanismo de “descanso e digestão”. Este é um tipo de resposta fisiológica que nos faz relaxar e sentir como se estivéssemos dormindo.

Quando comemos, os níveis de glicose aumentam e isso causa uma diminuição das orexinas, hormônios criados no hipotálamo e responsáveis por nos manter alerta. Outra causa pode ser o fato de alimentos ricos em amido (o que normalmente conhecemos como carboidratos) aumentarem os níveis de melatonina no cérebro, o que nos faz sentir sonolentos (já que esta é a hormona do sono). O mesmo pode acontecer com aqueles alimentos que estão ricos em gordura.

Em qualquer caso, a sesta é algo que todos gostam, mas nem todos podem pagar. O ritmo frenético de vida a que estamos habituados não nos dá tempo para aquele pequeno descanso depois de comer que muitos de nós gostaríamos.

O que parece claro é que dormir e comer são dois hábitos que normalmente andam de mãos dadas. Até parece que, tal como ficamos com sono se comemos muito, também acontece o contrário: no caso de termos fome quando vamos para a cama, muito provavelmente será mais difícil para nós adormecermos.

¿Que centros nervosos são responsáveis por estes dois processos, comer e dormir?

A parte do sistema nervoso responsável pela fome, saciedade e alimentação é o hipotálamo. Os núcleos laterais do hipotálamo atuam como centro da alimentação, pois quando estimulados excitam um apetite voraz (chamado de hiperfagia). Na verdade, a ciência descobriu que quando esta região cerebral é estimulada, ela pode induzir uma saciedade completa. Foi também demonstrado que quando o hipotálamo lateral é destruído, o desejo de comer deixa de existir.

Mas qual é a região que lida com os ciclos do sono?

É curioso saber que é esta mesma região do hipotálamo, que também cuida da nutrição, que regula o nosso ritmo circadiano. O facto é que o sono, como acontece com outras funções vitais, é regulado pelo nosso “relógio biológico”, ou ritmo circadiano, como dissemos. Neste sentido, nosso relógio localizado no hipotálamo está encarregado de dar o sinal para o resto das estruturas cerebrais para começar e terminar o sono.

Portanto, parece que existe uma clara explicação científica para o porquê destes dois processos vitais estarem tão relacionados. Regulado pela mesma parte do cérebro, parece que ter sono depois de comer é uma reação fisiológica bastante comum no nosso corpo.