Ortosónia: A obsessão pelo sono de qualidade

Mar 15, 2020 | ACONSELHAMOS-TE, MELHORA O TEU DESCANSO

O descanso é importante para todas as pessoas em todas as idades. No entanto, existem certas recomendações sobre quanto as pessoas devem dormir de acordo com a sua idade. Tanto o tempo passado a dormir como a qualidade deste sono são factores chave na manutenção da nossa saúde física e mental. Embora pareça claro que, se a qualidade do sono for adequada, o tempo necessário para um bom descanso pode variar de uma pessoa para outra.

Em qualquer caso, mesmo que a quantidade de tempo que gastamos no nosso descanso não seja suficiente ou não atinja a quantidade recomendada, também não parece saudável ficar obcecado pelo descanso “perfeito”. Isto tem um nome: orthosomnia. É sobre quando uma boa noite de sono se torna uma obsessão.

Isto parece normal hoje em dia: vivemos numa época em que a saúde está, de alguma forma, na moda, o que é positivo em alguns casos, mas também pode tornar-se patológico para muitas pessoas. É o que acontece com esta nova obsessão de dormir bem e monitorar o sono compulsivamente para garantir o melhor descanso possível durante a noite.

Os pacientes que sofrem de ortosónias registam compulsivamente os seus dados de sono com as pulseiras e relógios inteligentes disponíveis no mercado que oferecem estas características. Muitas vezes eles analisam os dados fornecidos por estes dispositivos diariamente para garantir que o seu sono tenha sido como prescrito.

A questão é: Como a busca do melhor sono possível pode ser prejudicial ao nosso próprio descanso?

Os registros de sono

O adulto médio deve ter cerca de 7 horas e meia de sono para um descanso ideal. A tecnologia cresceu para ser capaz de absorver esta necessidade também, por isso foram criadas pulseiras e relógios inteligentes que nos permitem determinar as nossas horas diárias de sono.

O problema é que esta “busca perfeccionista pelo sono perfeito” pode levar a um aumento da fadiga diurna. Isto porque estes dispositivos que são usados para medir todos os tipos de constantes do sono podem aumentar a ansiedade em alguns pacientes. De alguma forma, uma tecnologia que deveria servir, em princípio, para melhorar a qualidade de vida das pessoas, pode virar-se contra aqueles que tentam medir o sono compulsivamente.

E quanto à precisão da tecnologia que mede o sono?

Além da ansiedade que essas pulseiras e relógios podem gerar, os profissionais de saúde também estão preocupados com a precisão dos aparelhos portáteis com recursos de monitoramento do sono noturno. Parece que muitas dessas aplicações não só medem o número de horas que passamos na cama, mas também fornecem relatórios sobre quais fases do sono passamos, como o movimento rápido dos olhos ou o sono REM.

O problema de fornecer informações tão detalhadas é que estas se baseiam em padrões de estimação, uma vez que as pulseiras e relógios que medem esta actividade nocturna carecem da precisão necessária para determinar realmente as fases do sono. Assim, a fiabilidade destes dispositivos em termos desta informação detalhada é bastante duvidosa e distante da oferecida pelos profissionais com os seus respectivos dispositivos específicos. Na verdade, um estudo publicado em 2017 pelo Journal of Clinical Sleep Medicine, já concluiu que estes dispositivos não são muito precisos na detecção de ciclos de sono.

Assim, embora não haja nada de perigoso neste tipo de tecnologia, poderia ser contraproducente utilizá-la devido à baixa precisão da informação que eles fornecem. O melhor é ir a um especialista se temos problemas em adormecer, evitando assim cair na ansiedade que esta tecnologia pode produzir para ter um sono de qualidade.