É bom ou mau dormir com o telemóvel ao seu lado?

Abr 1, 2020 | ACONSELHAMOS-TE, MELHORA O TEU DESCANSO

Vivemos tão perto deles que chegamos ao ponto de dormir com os nossos telemóveis. Pense nisso. Normalmente a rotina é a seguinte: você desliga a TV, levanta-se do sofá, vai à casa de banho para lavar os dentes, coloca o pijama e deita-se na cama. E todo esse tempo você tem o telefone na mão, fazendo uma última verificação nas redes sociais antes de ir dormir. Uma dependência total que no final do dia pode dificultar a qualidade do nosso descanso. Nós analisamos os porquês.

Esqueça-se das onda de rádio, o problema do telemóvel está noutro sitio

“Há 1500 anos atrás, todos sabiam que a Terra era o centro do universo. Há 500 anos atrás, todos sabiam que a Terra era plana. Há 15 minutos, pensavas que estávamos sozinhos no universo. Imagina o que vais saber amanhã.”

Após o discurso que Tommy Lee Jones deu a Will Smith para que ele entrasse na agência de Men in Black, em 2000 perguntávamo-nos porque é que queríamos um telemóvel, em 2010 para que é que servia um smartphone, há dois anos atrás riamo-nos das histórias da Instagram e há 15 minutos atrás questionávamos a importância das novas redes sociais e incluso dos assistentes virtuais. Mas uma vez assimilados cada processo e sua correspondente função, temos abraçado estes dispositivos até que se tornaram indispensáveis.

E embora em geral seja algo que é bom, que indica uma evolução tecnológica e social, acabávamos por depender muito deles. Como outra extremidade do nosso corpo, a última coisa que costumamos fazer antes de dormir é verificar as redes sociais, responder ao último Whatsapp e, à medida que nos perdemos, gastamos 30 ou 40 minutos de sono porque acabamos no YouTube ou a ler algum artigo online.

Mas este hábito generalizado está a afetar o nosso conforto e a qualidade do nosso sono. E não por causa do que você provavelmente pensa: as ondas e/ou radiação. Não. De acordo com estudos de alguns especialistas, o verdadeiro culpado da diminuição do nosso sono é a luz.

Por exemplo, um estudo publicado no Proceedings of the National Academy of Sciences aponta que a luz emitida por um telemóvel e à qual estamos expostos segundos antes de dormir suprime os níveis de melatonina, a hormona que regula o próprio sono. Outras pesquisas, publicadas na revista Nature por Charles A. Czeisler, professor da Universidade de Harvard, indicam que a luz artificial emitida pelo nosso smartphone activa os nossos neurónios cerebrais, levando-nos assim a demorar mais tempo a adormecer.

Um pouco em menor escala, mas algo que também prejudicaria nossa saúde, encontramos outro estudo realizado desta vez por um grupo de pesquisadores da Universidade de Toledo (Ohio). Embora os resultados finais ainda não tenham sido determinados, estes cientistas já apontam que a luz azul dos telemóveis pode estar a prejudicar a nossa visão. Em resumo, e sem a necessidade de incluir as centenas de estudos que ligam este mau uso do smartphone a doenças muito mais graves, o problema é latente e está lá.

O que sabemos sobre dormir com o smartphone

Nós não o dizemos, diz a Organização Mundial de Saúde. De acordo com esta organização, uma hora a menos de sono do que o recomendado nos afetará no dia seguinte da seguinte forma: pior concentração, decisões mais incorretas e tendência ao risco.

Mas porque é que a falta de sono é tão prejudicial? Simplesmente porque dormir menos do que o recomendado pelos médicos facilita o aparecimento de doenças neurológicas e metabólicas. Pior ainda, existe uma relação entre a falta de descanso e o risco de cancro, diabetes e outros tipos de patologias.

E se a possibilidade de ficar doente não é suficiente ou faz você pensar que “não vai acontecer comigo”, uma nota mais leve de significado social-emocional. Ir para a cama com o telemóvel e brincar com ele em vez de falar com o seu parceiro ou deixá-lo dormir em paz é razão suficiente para repensar este hábito potencialmente nocivo.