Como superar o medo do escuro em crianças e adultos

Out 19, 2021 | ACONSELHAMOS-TE, CRIANÇAS | 0 comments

Superar o medo do escuro é algo que nos é “exigido” desde muito pequenos, mas que se pode agravar, se não o conseguirmos tratar como é devido. Com profissionais, pedagogia, e muito tacto.

Conhecido também como nictofobia, pode-se comprovar que se trata de uma fobia de carácter psicológico, e que é verdadeiramente recorrente entre as pessoas. Se é certo que é mais frequente entre crianças de 2 a 3, até aos 7 ou 8 anos, pode criar raízes até chegar à idade adulta, transformando-se assim num trauma que afeta as relações sociais.

Obviamente, o medo do escuro apresenta dois grandes traços: medo à ausência de luz, e à chegada da noite, provocando assim ansiedade, nervosismo, e incapacidade de dormir sós.

Como podem as crianças superar o medo do escuro

No caso dos mais pequenos, é habitual sentirem-se inseguros quando chega a noite, e têm que ficar sós no seu quarto para dormir. Normalmente, isto surge após ver filmes de terror, ler alguma história ou, simplesmente, ter ganho medo a certos objetos que há no seu quarto, ou ter escutado histórias e lendas urbanas.

Estes gatilhos ganham forma quando chega a noite, e é tempo de ir para a cama. Então, ao apagar as luzes, as crianças disparam a sua imaginação, entrando em zonas tenebrosas, que lhes provocam medos e pesadelos. Este é o momento de atuar.

Para evitar que derive em ansiedade, há que socorrer-se da pedagogia, da empatia, e de muito carinho. Pode ser tão simples como dizer-lhes que o medo é injustificado, racionalizando os monstros que inventaram nas suas cabeças, e fazê-los ver que apenas são sombras provocadas por objetos, e que a escuridão é necessária para descansar. Obviamente, seria um grave erro rir-se deles, ridiculizar ou ignorar a situação.

Criar jogos relacionados com a escuridão, ou contar-lhes alguma história de quando nós éramos pequenos e também nos aconteceu, ajudará à sua tranquilidade. Entre as atividades que ajudarão a esquecer o medo à escuridão, podemos referir jogar às escondidas, ou procurar objetos com a ajuda de uma pequena lanterna. Também é positivo fazer sombras chinesas na parede.

Progressivamente, esse medo do escuro irá desaparecendo, conforme as crianças crescem.

Como superar o medo do escuro

Como podem os adultos superar o medo do escuro

Qualquer coisa que não seja pôr em prática os conselhos anteriores, vão converter o medo do escuro infantil numa fobia adulta, com piores consequências. Para começar, a necessidade da ajuda de um psicólogo.

A transformação em nictofobia é sinónimo de ter experimentado algo traumático, relacionado com a ausência de luz. Esse trauma e medo fóbico à escuridão deriva em inseguranças mais graves, e ataques de pânico, produzidos pela escuridão.

Para lutar contra essa nictofobia tão grave, o ideal é visitar um especialista. Mas, se não quer chegar a este ponto, pode seguir os seguintes conselhos:

  • Racionalizar: partindo da base de que uma fobia é um medo irracional (como a dos insetos, que são incapazes de causar dano), há que começar por reconhecer que é uma fobia irracional. A aceitação é um grande primeiro passo. Controlar essas emoções que derivam dos medos, e acalmar os possíveis ataques de pânico produzidos, são ações realmente eficazes.
  • Exposição: de maneira gradual, há que se ir expondo à ausência de luz. Esta técnica muito utilizada em fobias a aranhas, baratas e outros insetos, é igualmente válida para a nictofobia. Tenha um sistema de iluminação gradual, que lhe permita a sua regulação progressiva.
  • Projeção: deite-se, feche os olhos, e imagine-se no escuro. Entre em cheio nos seus medos, para entender que não acontece nada. Ao entrar num nível de ansiedade mais baixo e controlado, vai-se situando pouco a pouco numa melhoria. A isto, também se chama piores expectativas.
  • Estímulos positivos: é tão simples como apagar a luz, mas misturar com algum estímulo positivo, como ter a televisão ligada, ou permanecer na escuridão com companhia.