Como afeta o seu corpo trabalhar de noite e dormir de dia?

Jan 19, 2022 | SAÚDE | 0 comments

Segundo este estudo realizado sobre os efeitos na saúde do trabalho por turnos, e das horas de trabalho prolongadas, até 25% da população ativa europeia dispõe de um trabalho noturno. Uma situação laboral que influi na qualidade de vida. Porque trabalhar de noite e dormir de dia afeta o seu corpo de maneira negativa. Como regular essa situação, para não sofrer mais problemas de saúde, vai depender da forma como descanse, e como encare o resto de horas no dia.

Este tipo de horários laborais noturnos tem vindo a crescer no mundo ocidental nas três últimas décadas. Nada casual, se tivermos em conta que falamos dos anos 90, e da entrada no novo milénio. Como sempre dizemos na Maxcolchon, o ritmo de vida aumentou bastante no século XXI, o que levou também a que se necessite de um maior número de trabalhadores pela noite. Porque a economia nunca dorme. Mas o nosso corpo sim, tem essa necessidade de dormir e descansar.

Isto é o que acontece ao nosso corpo quando não descansamos

Apenas em Espanha, quase dois milhões de pessoas trabalham de noite e dormem de dia. Falamos de médicos, enfermeiros, pessoal de saúde em geral, operários de vários sectores, trabalhadores do sector de serviços, padeiros, ou até estudantes.

Todas estas classes de trabalhadores veem como o seu organismo perde o sentido com o qual está concebido. Porque os humanos estão preparados biologicamente para dormir de noite. É quando a melatonina, a hormona encarregada de ajustar os biorritmos, segrega maior quantidade. E se trabalhamos de noite, encontramo-nos com uma luta biológica por permanecer despertos.

Mas trabalhar de noite não só é sinónimo de bloqueio dos ritmos circadianos, nos quais a mencionada melatonina interfere. Existem estudos que revelam que o trabalho noturno aumenta as probabilidades de sofrer de cancro num futuro a médio e longo prazo.

Por exemplo, este estudo realizado durante duas décadas a 200.000 profissionais do sector sanitário, concluiu que “o trabalho em turnos noturnos rotativos a longo prazo se associou com um maior risco de cancro da mama, especialmente entre as mulheres que realizavam trabalho por turnos durante a idade adulta”.

Como afeta o seu corpo trabalhar de noite e dormir de dia

Para além do cancro, uma das doenças que mais afetam a população, este tipo de turnos noturnos ou rotativos também se podem traduzir nas seguintes enfermidades:

Stress

Alterar os ritmos circadianos produz uma série de alterações hormonais que, na sua acumulação durante um tempo prolongado, acabam por se transformar em stress, ansiedade, e outros problemas psicológicos. Além disso, podem produzir irritabilidade e uma deterioração do carácter da pessoa que trabalha de noite. Em conclusão, incluso as suas relações pessoais podem ser afetadas de maneira negativa.

Alterações hormonais

Como dizíamos no ponto anterior, a alteração dos biorritmos pode afetar as nossas hormonas. Por exemplo, no caso das mulheres, podem sofrer menstruações irregulares e difíceis de prever.

Problemas digestivos

Para além da alteração dos ritmos biológicos que afetam o sono, trabalhar de noite e dormir de dia também afeta a nossa alimentação. E, por arrasto, o sistema digestivo. Como já sabe, os nossos hábitos alimentares estão marcados pelos horários. Portanto, um trabalho noturno faz com que comamos fora de horas, de maneira irregular, ou uma única refeição e de forma copiosa e abundante. A conclusão de tudo isso é o aumento das possibilidades de padecer de problemas digestivos e de estômago.

Diabetes

Se existe uma doença que mantém uma estreita relação com o sono, é a diabetes. O motivo não é outro que a alteração nos nossos níveis de glicose, que é causada pelo feito de trabalhar de noite e dormir de dia. Estas mudanças no metabolismo, ao não dormir quando deveria, desregulam os níveis de glicose no organismo.

Aumento da pressão arterial e dos problemas cardíacos

 Uma vez mais, confundir o relógio biológico, que associa o dia com o trabalho e a noite com dormir, provoca uma alteração da hormona responsável pelo stress, e um aumento do cortisol. Tudo isto acaba por afetar a nossa pressão arterial. E, o que é pior, prolongar esta situação vai acabar por provocar problemas cardíacos.

Transtornos do sono

O mais óbvio ficou para o final. Trabalhar de noite e dormir de dia desregula o sistema operativo que impera no nosso cérebro. Ou seja, se está preparado para que durmamos de noite e alteramos isso, acabamos por provocar todo um conjunto de problemas neurológicos, biológicos e hormonais. Além disso, se levarmos esses turnos e ritmo de vida durante muitos anos, o cérebro vai sofrendo mais consequências negativas, sob a forma de insónias, fadiga crónica, sonolência, perda de memória, ou falta de concentração.