Colchões a vácuo: prós e contras

Jul 7, 2021 | INFORMAMOS-TE | 0 comments

É uma moda que vai crescendo. Longe ficaram os tempos em que os colchões a vácuo eram sinónimo de países subdesenvolvidos, que precisavam desta tática para solucionar os problemas de infraestruturas. Hoje em dia, os colchões já se enviam enrolados aos clientes, sem perder uma ponta de qualidade nos mesmos. Nem diminui a vida útil do modelo, nem se deteriora a sua forma.

Todas as vantagens dos colchões a vácuo

Desde que o sector do descanso viveu a sua particular revolução tecnológica, graças à implementação de materiais como o látex, ou a viscoelástica, um dos hábitos que mais se viu beneficiado foi o de empacotar os colchões a vácuo. O efeito memória da viscoelástica, ou os benefícios do látex e da espuma, ajudaram a que esta técnica de transporte se tenha estendido ou profissionalizado. E, claro, recomendado.

Cada vez mais habituais, os colchões a vácuo não carregam nenhuma consequência negativa. Nem perdem as suas qualidades, nem a sua vida útil. Pelo contrário. A única diferença é que, por motivos práticos, que facilitam o transporte e instalação em nossas casas, se enrolam e se empacotam a vácuo.  Posteriormente, apenas há que esperar entre 3 e 4 horas para poder utilizá-lo com normalidade, recuperando todos os seus benefícios de origem passadas 12 horas de ter recebido o modelo.

Mas as vantagens associadas aos colchões a vácuo não se limitam ao transporte e instalação. Questões higiénicas também favorecem este método, tão próprio do século XXI.  Por razões lógicas, que têm a ver com a sua embalagem, estes modelos encontram-se isolados em todos os momentos de bactérias, ácaros, humidade e qualquer inclemência do tempo. ¿Que garante tudo isto? O seu pedido vai-lhe chegar nas melhores condições higiénicas possíveis.

Outra das virtudes dos colchões empacotados a vácuo leva-nos para questões mais económicas. Tal como comentamos no início, esta técnica favorece o transporte, porque o torna mais barato e portátil. Ou seja, ao comprimi-los, podem-se empilhar mais, num mesmo veículo de transporte. Uma praticidade, que ajuda a poupar combustível e custos, que acabará por reduzir o preço final do colchão.

Por último, rever mais algumas virtudes práticas. Além de tudo o comentado anteriormente, os colchões empacotados a vácuo permitem que, na hora de os descarregar e subi-los às vivendas, mostrem muito menos predisposição a sofrer danos. Graças à sua embalagem, ficam menos expostos a sofrer quebras e deteriorações. Estes modelos cabem muito melhor nos elevadores e nas escadas dos edifícios. Além disso, a forma na qual chegam às casas das pessoas torna-os mais suportáveis, para conseguir atravessar corredores estreitos e portas de dimensões mais reduzidas. E, obviamente, na hora de os instalar nos dormitórios, o colchão a vácuo é muito mais fácil de manejar para uma só pessoa. Algo que também repercutiu no seu preço final, já que, de precisar de dois operários, passou-se a necessitar de uma só pessoa para a sua montagem.

Desvantagens dos colchões a vácuo

Então, ¿existem desvantagens associadas a este tipo de colchões? Com total sinceridade, podemos assegurar que apenas existem dois defeitos que encontramos nos colchões enrolados:

– Nem todos os modelos estão capacitados para este tipo de transporte. Ainda que, sim, possamos enrolar os colchões viscoelásticos, de látex, ou espuma, os colchões de molas não permitem empacotá-los a vácuo. Portanto, se optou por este material, não poderá pedir que chegue a sua casa desta forma.

– Não podem ser utilizados de forma instantânea. Sabemos que tem muita vontade de experimentar o seu novo colchão, mas como já dissemos anteriormente, terá que esperar entre 3 a 4 horas para o poder fazer, e umas 12 horas em total para desfrutar de todas as suas qualidades de fábrica. Paciência.